24.5 C
Brasília
Segunda-feira, 27 Junho, 2022

Mais pressão: Defesa quer reunião com o TSE para tratar “divergências” sobre urnas

Após enviar um ofício com uma série de reclamações ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), na sexta-feira passada, o ministro da Defesa, general Paulo Sérgio Nogueira, encaminhou um novo documento nesta quarta-feira (15), dessa vez pedindo uma reunião com a equipe técnica da Corte, a fim de “dirimir divergências” sobre as urnas eletrônicas.

“Pretende-se, com esse encontro, dirimir eventuais divergências técnicas surgidas nos trabalhos da Comissão de Transparência das Eleições (CTE) e discutir as propostas apresentadas pelas Forças Armadas”, afirma o general no documento.

O ministro também reforçou o posicionamento das Forças Armadas, destacando que as sugestões feitas pelos militares quanto ao pleito eleitoral visam melhorar a “transparência” e a “auditabilidade” das eleições.

“Gostaria de assinalar que esta Pasta não apresentou propostas técnicas a esse Tribunal, tendo somente reiterado as propostas das Forças Armadas, elaboradas no âmbito da CTE, entendidas como essenciais para fortalecer a segurança, a transparência, a confiabilidade e a auditabilidade do processo eleitoral”, diz o documento.

No ofício anterior, a Defesa se queixou do tratamento dado aos militares, por parte do TSE, afirmando que as Forças Armadas não estavam se sentindo devidamente “prestigiadas”. Mais do que isso, o Ministério acusou o Tribunal de não querer “aprofundar o debate” sobre a segurança das urnas.

“Até o momento, não houve a discussão técnica mencionada, não por parte das Forças Armadas, mas pelo TSE ter sinalizado que não pretende aprofundar a discussão”, afirmou o general.

Em seu novo ofício, Paulo Sérgio Nogueira deixa claro que a reunião solicitada deverá ocorrer entre os técnicos do TSE e das Forças Armadas. Ou seja, a intenção é que exista, de fato, um debate estritamente técnico sobre a segurança das eleições.

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: