“Quem não tem outra alternativa, não fique querendo proibir a hidroxicloroquina”

Reprodução: Google

O presidente Jair Bolsonaro voltou a criticar na noite desta quinta-feira (23) a oposição feita contra o uso da cloroquina no tratamento do novo coronavírus, argumentando que apesar de não haver dados científicos conclusivos sobre o fármaco, também não há impeditivos no mesmo sentido.

“Deixar claro aqui. Hoje eu vi um governador criticando a hidroxicloroquina, falando em ciência. Até lembrei do [ex-ministro] Mandetta. Parece até que o governador desse estado fez a mesma faculdade. Acreditamos na ciência, mas não existe comprovação científica”, disse ele.

“E como alguns dizem (…) não é recomendado, e nem não é recomendado. Está em estudo ainda (…) Enquanto não tem um remédio para atacar o problema, é válido isso aqui”, explicou.

O presidente citou o seu tratamento e também o estado de saúde dos ministros Onyx Lorenzoni (Cidadania) e Milton Ribeiro (Educação), que também contraíram o coronavírus e fazem tratamento com a cloroquina.

“Meu estado de saúde. Estou muito bem, graças a Deus. O ministro Onyx e também o ministro Milton Ribeiro, da Educação, foram acometidos do vírus, e começaram, imediatamente, a tomar hidroxicloroquina. Deixo bem claro que é uma adesão do médico e do paciente, como foi o meu caso”, disse ele.

“Não estou recomendando para ninguém não. Eu tomei, e 12 horas depois estava me sentindo muito bem. E como estou muito bem, graças a Deus, até hoje. A mesma coisa me reportou o Onyx e o ministro Milton, se sentiram muito bem também”, concluiu.