13.5 C
Brasília
Quarta-feira, 29 Junho, 2022

Jornalista diz que Yamaguchi deveria ter sido presa e ataca: “Uma cínica; charlatã”

O depoimento da médica oncologista e imunologista, Nise Yamaguchi, na CPI da Pandemia, prestado na última terça-feira (01) no Senado Federal, parece ter despertado não apenas discordâncias quanto a sua posição científica em relação ao tratamento do novo coronavírus, mas também manifestações caluniosas contra a sua honra e experiência profissional de mais de 40 anos.

Além do tratamento desrespeitoso conferido por alguns senadores durante o seu depoimento, os quais por inúmeras vezes interromperam a fala da médica e lhe acusaram de ter integrado um suposto “gabinete paralelo” no Ministério da Saúde, Yamaguchi também foi atacada ofensivamente nas mídias, inclusive pelo renomado jornalista Luis Costa Pinto.

Pinto, que já atuou como editor e chefe de sucursais de veículos como Veja, Folha de S. Paulo, O Globo e Época, concedeu uma entrevista onde fez uma grave acusação contra Yamaguchi, dizendo que ela seria uma “charlatã”, termo que faz alusão a quem engana pessoas, prometendo ou fazendo algo enganoso. Mas ele não parou por aí.

Pinto também chamou a médica de “calhorda” e “mentirosa”, chegando a defender a sua prisão. “Essa Nise Yamaguchi é uma cínica. Não vou economizar os adjetivos. Ela é uma cínica, uma charlatã, ela foi calhorda, ela foi desrespeitosa com a instituição Senado, com a instituição Congresso. Ela tinha que ter saído presa dali. Ela é mentirosa, ela não é cientista, ela é charlatã”, afirmou ele ao Boa Noite 247, uma mídia de extrema-esquerda.

Diferentemente do que alega o jornalista, o currículo e atuação profissional da Dra. Nise Yamaguchi não deixam dúvidas sobre a competência da médica, tornando-a um dos principais nomes da medicina no país. Por se tratar de inúmeras atuações, publicações e formações, optamos por não disponibilizar aqui, dado a extensão do conteúdo, mas essas informações podem ser conferidas neste link.

Médica defensora do tratamento precoce critica Luana na CPI: “Cartas marcadas”

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: