Roberto Jefferson acusa Moraes de plágio: “Copiou um livro de um jurista espanhol”

Roberto Jefferson acusa Moraes de plágio:
Reprodução: Google

O presidente nacional do Partido Democrático Trabalhista (PDT), Roberto Jefferson, fez uma publicação acusando o ministro do Supremo Tribunal Federal, Alexandre de Moraes, de plágio e crime de “falsidade ideológica”.

“Dr. Alexandre de Moraes, o seu currículo está bombado, é Fake, tanto na pós graduação, como no doutorado. E, o pior, copiou um livro de um jurista espanhol e publicou como seu. Plágio e falsidade ideológica. Ministro, que tudo pode, denuncie-se no processo das Fake News”, escreveu ele em sua rede social.

Jefferson não deixou claro se a publicação se trata de uma ironia ou, de fato, uma acusação, dando a entender que é mesmo uma acusação contra o ministro do Supremo. Mas, será verdade o que disse o presidente do PDT? Entenda a seguir:

Moraes negou plágio em 2017

A informação sobre o suposto plágio cometido por Moraes surgiu em 2017 e foi publicada pelo jornal Folha de S. Paulo. Outras mídias também replicaram a informação.

“De acordo com a reportagem, o ministro da Justiça afastado, reproduz, sem o devido crédito e sem informar de que se trata de uma citação, passagens de ‘Derechos Fundamentales y Principios Constitucionales’, de Rubio Llorente, publicado em 1995 pela editora espanhola Ariel”, disse o Congresso em Foco, por exemplo.

Contudo, com base nessas matérias, o suposto plágio teria ocorrido apenas de trechos do livro e não da obra completa, como sugere Roberto Jefferson ao dizer que Moraes “copiou um livro.” Evidentemente isso não diminui a gravidade da informação, mas indica falta de verdade para com o fato.

Alexandre de Moraes, por sua vez, negou durante a sua sabatina na Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal que houvesse cometido plágio, dizendo ser uma informação “maldosa” contra ele, segundo o Jornal do Comércio.

Outro veículo, o Jornalistas Livres, também chegou a acusar Moraes de outros casos de suposto plágio cometido por Moraes, dos quais não tivemos conhecimento de uma posição do ministro acerca desses.