Consórcio pagou “48 milhões por respiradores que NUNCA chegaram”, diz senador da CPI

O senador Eduardo Girão, um dos principais defensores do governo Bolsonaro na CPI da Covid, no Senado Federal, afirmou que vai pedir a convocação do secretário-executivo do Consórcio Nordeste, o ex-ministro petista Carlos Gabas, a fim de que o mesmo dê explicações sobre a compra de 300 respiradores pulmonares ao preço de R$ 48 milhões, os quais não foram entregues.

“CPI: CHEGOU A HORA DA VERDADE. Vamos desvendar o ‘calote da maconha’? AMANHÃ votaremos convocação do sr. Gabas, do Consórcio Nordeste, que pagou antecipado 48 milhões por respiradores que NUNCA chegaram. Sua mobilização é muito importante”, anunciou o senador em sua rede social.

Ao citar “maconha”, Girão fez referência à especialidade da empresa HempCare, apontada como responsável pela venda dos respiradores vindos da China. Segundo o Correio Braziliense, a empresa na verdade é especializada na venda de óleos medicinais fabricados a partir da maconha. “O que é que tem maconha com covid e com respirador?”, questionou o senador em outra ocasião.

Gabas, que já foi alvo de busca e apreensão em 2016 em uma operação da Polícia Federal no âmbito da Lava Jato, já foi ministro dos governos Lula e Dilma – em ambas as ocasiões, comandou a Previdência Social. Também foi ministro da Secretaria de Aviação Civil durante a última gestão petista.

Deixe o seu comentário: