15.5 C
Brasília
Sábado, 2 Julho, 2022

“Compreendo que queiram me calar”, diz Yamaguchi, pré-candidata ao Senado por SP

A médica Nise Yamaguchi voltou a utilizar as suas redes sociais para comentar sobre a sua decisão de se candidatar ao Senado Federal este ano. Segundo a especialista em imunologia, que ganhou popularidade no Brasil devido à sua participação na CPI da Covid em 2021, alguns estariam querendo lhe “calar”.

“Compreendo que queiram me calar ou me tirar da pré-campanha ao Senado por São Paulo! Agradeço todo o apoio que tenho recebido para continuar com ainda mais ânimo rumo ao Senado!”, disse ela.

“Estou no PROS apoiando os pré-candidatos conservadores independentemente de partidos!”, completou Yamaguchi. A publicação da médica parece ser uma reação a uma nota publicada pelo presidente do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB) de São Paulo, o empresário Otavio Fakhoury.

Isso porque, Yamaguchi estava filiada ao PTB e resolveu migrar para o PROS. Segundo Fakhoury, a decisão teria partido do fato do PTB não ter dado apoio à candidatura da médica para o Senado, mas sim para a Câmara dos Deputados, considerando a maior chance de vitória para o cargo de deputada federal.

Ao se lançar para o Senado, Yamaguchi terá que disputar a única vaga existente com nomes fortes, também apreciados pela direita, como o da deputada Janaína Paschoal (PRTB-SP). Por parte do governo, também há a expectativa de que o ex-ministro Ricardo Salles também se lance ao Senado.

Parte da direita enxerga na decisão de Yamaguchi de insistir no Senado, sendo esta a primeira vez em que se candidatará a um cargo político, um erro estratégico em um momento crítico para o país, visto que ela poderá dividir votos e acabar não sendo eleita.

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: