Bolsonaro desabafa: “Falta coragem moral para o Barroso e sobra ativismo judicial”

Na última quinta-feira (08/04), o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, decidiu que é obrigação do Senado providenciar a instalação da chamada CPI Pandemia, requerida por alguns senadores, mas que não chegou a ser encaminhada pela presidência da casa.

Tal decisão foi feita em resposta ao mandado de segurança apresentado por senadores no mês de março, de acordo com o BBC News. O objetivo da comissão Parlamentar de inquérito é “apurar as ações e omissões do Governo Federal no enfrentamento da pandemia da Covid-19 no Brasil e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas com a ausência de oxigênio para os pacientes internados”.

Em meio a este contexto, na manhã desta sexta-feira o presidente Jair Messias Bolsonaro comentou sobre a decisão de Barroso criticando duramente a postura do ministro, acusando-o de agir por motivações políticas.

“A CPI é para apurar as omissões do governo federal, é uma jogadinha casada, para desgastar o governo. Eles não querem saber do que aconteceu com os bilhões desviados por alguns governadores e alguns prefeitos também”, declarou Bolsonaro.

Ao continuar, sem citar nomes, o presidente da República mencionou a existência de pedidos de impeachment contra alguns ministros do Supremo Tribunal Federal, como Alexandre de Moraes, que teve  um abaixo-assinado promovido por Coppolla. Com isso, o presidente questionou se Barroso teria “coragem moral” de mandar instalar o processo de impeachment também.

“Pelo que me parece, falta coragem moral para o Barroso e sobra ativismo judicial. Não é disso que o Brasil precisa, vivendo um crítico de pandemia, as pessoas morrem, e o ministro do Supremo Tribunal Federal faz “politicália” junto ao Senado Federal”, declarou Bolsonaro. Assista: