11.5 C
Brasília
Quinta-feira, 30 Junho, 2022

Bolsonaro cita novo parecer da Defesa ao TSE e pede “apuração simultânea” das urnas

O presidente Jair Bolsonaro (PL) comentou na noite desta sexta-feira (10) o novo parecer do Ministério da Defesa, enviado ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE), onde general Paulo Sérgio Nogueira, chefe da pasta, faz uma série de críticas em tom de cobrança em relação à Justiça Eleitoral.

“Chegando no Brasil, eu vou conversar com o ministro da Defesa, para que ele me explique também o que aconteceu, com o seu corpo técnico”, declarou Bolsonaro em sua live semanal, realizada dos Estados Unidos, onde está em viagem para a reunião da Cúpula das Américas.

Em sua manifestação, o ministro da Defesa afirmou que as eleições não podem ser realizadas “sob a sombra da desconfiança”, acusando o TSE de não querer “aprofundar” o debate sobre a segurança das urnas eletrônicas.

“Até o momento, não houve a discussão técnica mencionada, não por parte das Forças Armadas, mas pelo TSE ter sinalizado que não pretende aprofundar a discussão”, afirmou a Defesa, que também reclamou do tratamento oferecido aos militares responsáveis por elaborar as sugestões dadas à Comissão de Transparência das Eleições.

“Até o momento, reitero, as Forças Armadas não se sentem devidamente prestigiadas por atenderem ao honroso convite do TSE para integrar a CTE”, diz o ofício enviado ao presidente do Tribunal, ministro Edson Fachin.

Bolsonaor, por sua vez, concordou, voltando a defender que exista uma apuração dos votos paralela ao do TSE. Em outras ocasiões, o presidente explicou que isto seria feito mediante um computador instalado pelas Forças Armadas, o qual faria o monitoramento da contagem dos votos em conjunto com o corpo técnico do Tribunal.

“Não podemos ter eleições, como está lá no ofício, no final, que eu li, sob o manto da desconfiança. E dá tempo. Não se fala no ofício em voto impresso, pelo o que eu vi, questões técnicas apenas. Uma muito importante que foi da sugestão de uma apuração simultânea. Não sei porque não aceitam isso”, disse Bolsonaro.

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: