“Números de depressão e suicídio podem explodir com quarentena”, diz especialista

Autora de vários livros e especialista em Saúde Mental, a psicóloga e palestrante Marisa Lobo escreveu um artigo alertando sobre os efeitos colaterais do isolamento social em decorrência do novo coronavírus, expressando preocupação com o possível aumento vertiginoso dos casos de depressão e suicídio.

“Os números de depressão e suicídio tendem a aumentar com o isolamento social e o pânico gerados pelas mídias em relação ao coronavírus”, disse Marisa. “Tal condição causa sim danos à nossa psiquê. Precisamos nesse momento repensar nossas medidas de proteção, a fim de aliviar dores emocionais de pessoa que já se encontram fragilizadas por outros motivos”, completou.

Marisa criticou o isolamento forçado da população. “Substituir medidas que soam autoritárias e focar na conscientização das pessoas me parece o melhor caminho (…), os governos precisam entender que apesar do coronavírus há outra ‘epidemia’ silenciosa, a qual é entendida pela OMS como o ‘mal do século’: a depressão”, disse ela em sua coluna no Opinião Crítica.

A psicóloga Marisa Lobo afirmou que uma pessoa se suicida no mundo a cada 40 segundos, cerca de 800 mil mortes por ano, e ainda assim a mídia não daria, segundo ela, o mesmo destaque para essa “epidemia silenciosa”. Com isso, a especialista criticou a forma como a imprensa tem tratado o Covi-19.

“Faço um apelo para a mídia para que trate o assunto com mais cautela e equilíbrio. Apelo especialmente para a Rede Globo, que parece ter transformado a pandemia em um show televisivo, explorando apenas o drama por trás desde cenário e não suas soluções. Falem com preocupação, mas também com esperança e otimismo”, alertou.

“Temos que mostrar os avanços da medicina, ações e esforços do governo e não promover conflitos ideológicos, políticos. Esse não é o momento de querer lucrar com audiência, mas de ser razoável, transparente e o mais otimista possível”, conclui Marisa.