28.5 C
Brasília
Sexta-feira, 12 Agosto, 2022

Caos total: Argentina já enfrenta racionamento até de papel higiênico nos mercados

Os argentinos estão sofrendo com o governo dos peronistas Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Com a inflação anual até junho de quase 65%, a maior em 30 anos, população enfrenta racionamento nos supermercados por causa da falta de produtos nas prateleiras — até papel higiênico tem estoque controlado.

A situação mereceu um editorial da jornalista Viviana Canosa, durante o programa Viviana con Vos, transmitido pelo canal local A24, em 11 de julho.

Viviana faz uma comparação com a Venezuela, quando não havia sequer papel higiênico nos supermercados do país comandado pelo ditador Nicolás Maduro. “Estamos cada vez mais perto da Venezuela”, observou.

No editorial, a jornalista citou o absurdo de uma imagem de um supermercado argentino que havia restringido a venda de produtos à população. Açúcar, macarrão, azeites e farinha foram limitados a duas unidades por cliente.

“Não aguentamos mais”, disse Viviana. “Graças a essas pessoas que nos governam, todos os dias quando você se levanta, você sente que a Argentina é um pouco pior do que ontem. Isso ocorre porque eles não se importam com nada.”

No programa, a apresentadora também destacou o preço do quilo da farinha de trigo, que chega a 400 pesos argentinos (pouco mais de R$ 16). A situação é tão caótica que uma reportagem denunciou o contrabando do alimento à Bolívia.

O analista internacional Gustavo Segré compartilhou o vídeo em suas redes sociais. “Minha amiga mostra à população do Brasil os riscos de votar em propostas de esquerda”, escreveu Segré.

Nascido na argentina, mas morando no Brasil há quase 40 anos, Segré advertiu para os riscos da esquerda no poder. “Eles te anestesiam com planos sociais, roubam seu futuro e suas esperanças, tiram sua educação”, criticou. Com: Oeste.

DESTAQUE
Veja também:
close