24.5 C
Brasília
Segunda-feira, 27 Junho, 2022

Tarcísio rebate críticas: “Sou contra lockdown e obrigatoriedade de vacinação”

O ministro Tarcísio Gomes de Freitas, do Ministério da Infraestrutura, usou a sua rede social no último domingo (28) para rebater críticas feitas por internautas após a circulação de um vídeo editado, onde ele aparece defendendo medidas de segurança contra não vacinados vindos do exterior.

“Sou contra lockdown e obrigatoriedade de vacinação. Apenas defendi que melhor do que falar em fechamento de fronteiras, para voos internacionais, seria melhor cobrar a vacinação dos estrangeiros que chegam ao Brasil. Seria uma forma de manter os voos”, afirmou Tarcísio ao esclarecer o contexto do vídeo.

A postagem do ministro foi uma resposta ao questionamento de um internauta ao ex-ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que por sua vez manifestou interesse de tratar desse e outros assuntos com Tarcísio.

“Vou convidar o amigo Tarcísio a São Paulo para conversar mais com as pessoas de bem em todo o nosso valoroso Estado, onde se valoriza a família, a seriedade e o trabalho! Quem vem junto?”, anunciou Salles

Como teve o seu nome anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro como seu candidato preferido para a disputa pelo governo de São Paulo, Tarcísio de Freitas passou a ser alvo de discussões entre os aliados do presidente, visto que muitos também apoiam o nome do ex-ministro Abraham Weintraub para a disputa.

A tendência, no entanto, é que a base governista siga a linha de Bolsonaro e manifeste apoio ao ministro da Infraestrutura, o qual é visto por muitos como um nome mais técnico e pragmático para a gestão de um estado como São Paulo.

A ala ideológica do governo, no entanto, enxerga em Weintraub um nome mais aguerrido no tocante à chamada “guerra cultural”. Contudo, por causa da polêmica declaração feita durante a reunião ministerial em 22 de abril de 2020, quando defendeu a prisão de ministros do Supremo Tribunal Federal, alguns acreditam que isso manterá Bolsonaro afastado, a fim de evitar maiores atritos com o STF.

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: