Milton Ribeiro diz que deseja “resgatar o protagonismo do professor na educação”

Milton Ribeiro diz que deseja
Reprodução: Google

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, concedeu uma entrevista onde destacou vários pontos relativos à sua atuação na pasta, entre eles o desejo de “resgatar o protagonismo do professor” na sala de aula, o que teria sido perdido, segundo o docente.

“Meu sonho é que no futuro os professores da escola pública sejam as referências de vida para os alunos, como foram os meus. Por isso, eu quero tirar o protagonismo do método e da estrutura para resgatar o protagonismo do professor na educação”, afirmou o ministro.

Milton Ribeiro fez críticas ao modelo de ensino adotado no país até então, citando inclusive o método Paulo Freire como algo ineficaz. “Como leitor experiente, só posso concluir que o método Paulo Freire é um mito de valores”, disse ele.

“É um negócio etéreo, que nos preocupa muito. Por isso quis manter na equipe o MEC o professor Carlos Nadalim. Como você sabe, ele defende a alfabetização baseada em evidências científicas. E eu sei que esse é o caminho, até por experiência própria”, completou, segundo o Brasil Sem Medo.

“Se a educação do Brasil tivesse melhorado nas últimas décadas, a gente estenderia a mão a todos os métodos modernos e construtivistas. Mas a educação piorou, e os números mostram isso. Há 20 anos, a escola era melhor do que é hoje. Há 30 anos, era melhor ainda”, ressaltou o ministro.

Ribeiro demonstrou estar empolgado com às novas ferramentas em uso atualmente no Ministério. Ele disse que a sua intenção é dar ao professor “ferramentas para que ele faça a diferença na vida dos alunos”.

“Veja o programa Tempo de Aprender. Em pouco tempo, já teve 3,5 milhões de acessos! Mais de 70% dos entes federativos já aderiram ao programa. O programa Conta Pra Mim, também vinculado à Secretaria de Alfabetização, é mais um grande avanço, porque resgata nossas melhores tradições culturais. É um conteúdo de alta qualidade”, conclui.

Milton Ribeiro: ‘Adolescente sabe colocar camisinha, mas não sabe uma regra de três’