Bolsonaro rebate padre que falou contra armas: ‘Os seguranças do Papa usam flores?’

O presidente Jair Bolsonaro voltou a rebater na noite desta quinta-feira (14) o arcebispo de Aparecida, em São Paulo, Dom Orlando Brandes, após uma fala em que o religioso critica o uso de armas no Brasil. Durante a sua tradicional live semanal, o chefe do Executivo questionou se os seguranças do Papa Francisco usam “flores” no lugar de armamentos.

“É um direito dele falar, é um direito dele ser desarmamentista. Eu só queria que ele respondesse: o que usam os seguranças do papa? Só isso, mais nada. Usam flores, usam o que? Ou usam armamento pesado? Usam armamento pesado”, afirmou o presidente da República.

Em outra ocasião, o arcebispo havia dito que “para ser pátria amada não pode ser pátria armada. Para ser pátria amada, seja uma pátria sem ódio. Para ser pátria amada, uma república sem mentira e sem fake news.” A declaração do religioso não foi dita na presença de Bolsonaro, mas manchetes da imprensa fizeram parecer que sim, o que também foi criticado pelo presidente.

Quando esteve em Aparecida, na cerimônia conduzida pelo arcebispo, Bolsonaro disse que não houve desrespeito da sua parte, nem da parte do religioso. O presidente criticou o fato da imprensa ter feito parecer que a declaração contra o uso de armas teria sido feita na sua presença.

“É um direito dele ser desarmamentista. Como eu já conheci militar das Forças Armadas desarmamentista. Agora, não houve por parte do Dom Orlando Brandis, nenhuma palavra dele, praticamente uma hora que eu fiquei na missa, contra a minha pessoa. Fez a pregação dele, li uma passagem do livro de Ester. Algo normal”, afirmou o presidente.