Aliados resgatam fala polêmica de Roberto sobre os poderes: “Harmonia era corrupção”

Preso desde o dia 13 de agosto passado por determinação do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-deputado Roberto Jefferson continua sendo defendido pelos colegas filiados ao Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), do qual é o presidente nacional, embora no momento se encontre afastado por razões óbvias.

Uma das iniciativas tomadas pelos aliados do “Leão Conservador”, como também é chamado  o Roberto entre os partidários, foi a divulgação de um vídeo contendo uma compilação de falas polêmicas do ex-parlamentar.

Na gravação, Roberto Jefferson chega a dizer em dado momento que a harmonia que existia entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, no passado, era fruto de “corrupção” e da “grana”, e não da boa relação entre os membros desses poderes.

“‘Ah… mas antigamente havia harmonia entre os poderes'”, diz ele no vídeo se referindo à fala de outras pessoas, para então continuar: “Grana… harmonia era corrupção! O Executivo, Legislativo e o Judiciário viviam em paz porque repartiam o dinheiro, aí vem o maluco do capitão… vai pra porta do cofre e diz ‘aqui ninguém rouba, eu não roubo e não deixo ninguém roubar'”.

O capitão citado por Roberto seria o presidente Jair Bolsonaro, o qual segundo ele estaria honrando a promessa de não aceitar corrupção em seu governo. Com isso, o vídeo faz parecer que este seria o motivo pelo qual o atual conflito entre os poderes estaria existindo em níveis tão elevados.

O vídeo encerra mostrando o ex-deputado sendo conduzido pela Polícia Federal para a delegacia no dia da sua prisão. Antes disso, porém, outras falas são enfatizadas na gravação, todas visando apontar que Roberto Jefferson estaria, agora, sendo coerente em suas posições, muito embora também já tenha cometido erros graves em sua carreira política.

O ex-parlamentar foi preso este ano no âmbito do polêmico inquérito dos “atos antidemocráticos”, após divulgar vídeos onde aparece portando armas e desferindo críticas aos ministros do STF. O PTB, atualmente sob o comando da vice-presidente Graciela Nienov, alega que a prisão de Roberto é ilegal e motivada por questões políticas. Assista abaixo: