10.5 C
Brasília
Quarta-feira, 29 Junho, 2022

Ataques a Bolsonaro durante a pandemia fortaleceram economicamente o governo

Para entendermos os prelúdios do processo de reindustrialização que virá no pós-pandemia e já delineado pelo Ministro Paulo Guedes em sua entrevista exclusiva à CNN Brasil, é preciso dividi-lo em quatro etapas principais:

1. Antes da pandemia (Ano 2019)

– Reforma da Previdência.

– Alavancagem de bancos públicos.

– Arrocho na parte fiscal (gastos do Governo, contingenciamentos, etc) para garantirmos juros mais baixos para crédito com aumento do câmbio para mantermos a economia no mesmo patamar.

– Garantia de um cenário de exportações de commodities para o mundo, indo na contramão dos demais exportadores de commodities do mundo (balança comercial positiva).

– Acabou-se o REGIME DOS RENTISTAS, com política monetária apertada e política fiscal frouxa, que gerou o desenvolvimento industrial fracassado de gestões anteriores.

– Havia, portanto, gordura suficiente em dinheiro para queimar em 2020, mesmo com a pandemia imprevista.

2. Início da pandemia (março e abril/2020)

– A taxa de juros se manteve no valor que o Governo esperava mantê-la sem pandemia (cerca de 2,5%a.a.).

– Havia, portanto, gordura em dinheiro, economizado em 2019, para bancar financiamentos em créditos 2x maiores que os executados na economia em 2020, sem necessidade de endividamento.

– Descentralização de recursos para estados e municípios, colocado em prática com o congelamento de salários dos servidores públicos por 18 meses.

– Quando o STF deu aos estados e municípios a responsabilidade pela administração da pandemia, fez com que o Governo tivesse uma espécie de PEC do “Pacto Federativo”, sem necessidade de aprovar no Congresso a PEC sob esse nome que já circulava no Parlamento.

– A contrapartida contra salários e municípios dos servidores federais surtiram o mesmo efeito das reformas administrativas e do pacto federativo (através do Orçamento de Guerra).

– As leis trabalhistas foram flexibilizadas num ritmo tão acelerado que nem os sindicatos conseguiram reagir.

– As pessoas e empresas aceitaram sem resistência o home officer, gerando a 1a onda da flexibilização trabalhista, ideia defendida pelo Ministro Guedes desde 2019, usando como argumento a manutenção de emprego.

– Ao travar as principais despesas, foi possível ir à administração da Crise do Coronavírus com a “gordura” já existente e economizada em 2019.

3. Administração da crise propriamente dita

– Juros baixos e câmbio alto impediu a desindustrialização acelarada do Brasil. Gerou-se receitas em exportações em abundância.

– O Ministro Tarcísio Freitas continuou (via dinheiro de privatizações de subsidiárias realizadas antes da pandemia) a pavimentar rodovias, construir malhas ferroviárias, realizar a transposição do Rio São Francisco, sem gastar 1 centavo do dinheiro público, preparando o novo parque industrial do pós-pandemia.

– A contrapartida exigida dos estados e municípios no Orçamento de Guerra colocou, portanto, a “granada” no bolso do “inimigo” (estados e municípios) controlando seus gastos. Eles vão responder em 2021 (com a volta da Lei de Responsabilidade Fiscal) por suas irresponsabilidades e exageros na má administração da crise do coronavírus.

– O fato de não estarmos integrados às cadeias globais permitiu que o choque externo da pandemia não afetasse a economia real (mercado exportador manteve-se acelerado, preservando cerca de 12 milhões de empregos).

– Para cada US$1,00 que exportamos para os USA, exportamos US$3,00 para a China via proteínas animais.

– Da gordura já existente em 2019, vieram as seguintes medidas: R$8 bilhões de retornos compulsórios; R$150 bilhões em créditos abertos (R$100 bilhões para a CEF e R$60 bilhões via BNDES, BNB, para estados e municípios. Este último ajudou essencialmente os estados do NE).

– Ainda com a “gordura” economizada: R$150 bilhões em antecipação de renda para aposentados e pensionistas (via 13o salário, etc).

– Diferimento do recolhimento de FGTS e impostos, aliviando (por alguns meses) a situação das empresas. Créditos específicos para empresas, onde o Governo complementa os salários de seus funcionários por 4 meses.

– TOTAL LIBERADO nos primeiros 15 dias da pandemia: R$500 bilhões.

– Posteriormente: injeção de R$60 bilhões em Ajuda emergencial aos estados e municípios para fazerem face às suas situações fiscais (baixo recolhimento de ISS e ICMS).

– Comoras de equipamentos, respiradouros e EPIs realizadas de forma mais responsável pela gestão Pazzuelo. Ele fechou a “torneirinha” do “Covidão”.

4. O processo de reindustrialização que virá

– o Ministro Guedes espera apenas o Ministro Tarcísio preparar a infraestrutura e rodovias, ferrovias, aeroportos, portos, para deixar a economia preparada para o Setor Privado investir no Brasil.

– A reunião dos empresários que representam cerca de 45% do PIB (aquela que culminou na “visita surpresa” ao STF) selou esse pacto de reindustrialização.

– O Governo injetará cerca de R$30 bilhões, mas será insuficiente. O Setor Industrial injetará mais de R$150 bilhões, tornando o lema mais Brasil e menos Brasília algo concreto.

– A vasta quantidade de desempregados gerados pela destruição do Setor de Serviço serão reabsorvidos pelo novo Setor Industrial, que terá como missão produzir bens de capital (máquinas, válvulas e peças que tivemos dificuldades de encontrar na pandemia, por exemplo) e que nos tornaremos auto-suficientes.

Em resumo, os ataques do STF e do Parlamento (e seus desesperos para prejudicar o Presidente Jair Bolsonaro), que mais parecia uma “maldição”, tornou-se uma “benção” para o Governo.

O Governo conseguiu a melhor estrutura trabalhista flexível (sem oposição de sindicatos), com estados e municípios responsáveis por suas finanças (dadas pelo STF). O melhor dos mundos para os cofres da União!

Nessas condições, para que atacar estados e municípios se eles estão (por si mesmos) fazendo (em questão de meses) justamente o trabalho que o Ministro Guedes queria fazer no Parlamento (e que seria demorado e custoso)?!

Temos os prelúdios de um novo sistema industrial que eles mesmos não se deram conta de que ajudaram a construir!

Para acompanhar o Prof. Emanoel Barros e ver mais publicações, basta seguir o seu Twitter e seu PARLER. Twitter: @emanoel_barros PARLER: @emanoelbarros

DESTAQUE
- Publicidade -
Veja também: